Notícias

  • Fev

    02

    2015

Comércio de Osasco movimenta R$ 5 bi em outubro

O faturamento do comércio varejista da região de Osasco foi de R$ 5 bilhões em outubro de 2014, valor 0,4% maior do que o registrado um ano antes e 2,4% e superior ao visto em setembro. As informações estão na Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) segundo dados da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

O bom desempenho do comércio na região se atribui, principalmente, ao resultado positivo obtido pelo segmento de outras atividades, que elevou as vendas em 26,1%, no contraponto anual, e contribuiu com 8,6 pontos porcentuais à receita geral. As lojas de departamentos também apresentaram bom desempenho, com aumento de 18,1%.

Por outro lado, seis atividades tiveram redução das vendas no mês. Foram destaques: lojas de materiais de construção (-22,9%), lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (-41,8%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-44,9%).

 

 

Desempenho estadual
O comércio varejista paulista registrou faturamento real de R$ 46,7 bilhões em outubro de 2014, valor 3,8% menor na comparação com o mesmo mês de 2013. Já em relação a setembro de 2014, a receita apurada foi 5,4% superior. Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) segundo informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

Com essa nova retração, o índice de queda acumulado no ano passou de 2,4% até setembro para 2,6% nos dez primeiros meses de 2014. É o mais baixo índice acumulado no ano. Na avaliação da assessoria econômica da FecomercioSP, essa nova queda mensal – na comparação anual – consolidou a tendência de retração no nível da receita do varejo paulista em 2014 em relação a 2013. É também motivo de apreensão, já que as quedas de movimento ocorreram em sete das dez atividades pesquisadas, justamente no primeiro mês do último trimestre – o período tradicionalmente mais forte do comércio em razão das festas de fim de ano.

O mau desempenho de quatro das dez atividades pesquisadas foi o principal responsável pelo recuo nas vendas do varejo geral na comparação com outubro de 2013. São elas: concessionárias de veículos (-21,5%), lojas de móveis e decoração (-8,5%), lojas de materiais de construção (-8,2%) e lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (-6,9%). Juntos, esses setores contribuíram em 4,7 pontos porcentuais com a retração geral. Mereceu destaque também a queda 4,8% no faturamento das lojas de vestuário, tecidos e calçados.

Contribuíram de forma positiva para o resultado geral apenas três atividades, todas ligadas a bens de consumo essencial e independentes de crédito: as farmácias e perfumarias colaboraram com o aumento de 7,3% em suas vendas; outras atividades, em que são preponderantes as vendas de combustíveis, conseguiram expandir o faturamento mensal em 4,7%; e supermercados, que elevaram a receita em 0,2%, recuperando-se após duas quedas de vendas sucessivas.

No desempenho por região, apenas quatro das 16 localidades pesquisadas conseguiram registrar índices positivos em outubro: Jundiaí (5,2%), Sorocaba (2,3%), Araraquara (1,7%) e Osasco (0,4%). As outras 12 apresentaram quedas de vendas. A maior retração ocorreu na capital paulista, cujas vendas caíram 8,2% em comparação a outubro do ano anterior.