Notícias

  • Out

    28

    2020

Farmácias de Osasco ainda podem participar da Campanha Sinal Vermelho

Com a chegada da epidemia de Covid 19 e a necessidade de isolamento o número de agressões a mulheres e os casos de feminicídio aumentaram muito no país.

E para combater esse tipo de violência o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) lançaram a campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica.

Em Osasco a campanha foi implementada por iniciativa do Juiz de Direito, Dr. Mario Sérgio Leite, coordenador do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC). A Associação Comercial e Empresarial de Osasco (ACEO) abraçou a causa e, no mês de agosto ajudou a organizar uma Live para discutir a questão.

Também no mês de agosto a ACEO abriu cadastro para que farmácias da cidade pudessem fazer parte da campanha, auxiliando mulheres que chegam até os estabelecimentos procurando ajuda.

De acordo com o presidente da entidade, Amir Gomes dos Santos, as farmácias são um serviço essencial e estão presentes em todo o território nacional. Além disso, explica, o público consumidor das farmácias é majoritariamente feminino.

“Esses locais podem ser pontos importantes de apoio às vítimas”, destaca.

Para receber ajuda a vítima pode desenhar um “X” vermelho na mão com caneta ou batom e exibi-lo à pessoa que a estiver atendendo na farmácia.

Os profissionais então deverão acionar imediatamente as autoridades policiais e providenciar o acolhimento da cliente. Nenhum atendente ou farmacêutico terá que ir à delegacia ou será chamado para testemunhar.

As farmácias de Osasco que ainda não estão envolvidas com a campanha e desejarem participar poderão entrar em contato com a ACEO pelo telefone (11) 3651-7755 ou pelo e-mail comunicacao@aceo.com.br

Balconistas e farmacêuticos receberão treinamento adequado para saber como agir no momento necessário.

“A proteção à mulher vítima de violência doméstica deve ser feita por todos os atores da sociedade. E as farmácias podem ajudar muito”, finaliza Dr. Amir.